BH em Debate
Você está em : Inicial > BH em Debate > Direito à Cidade

Direito à Cidade

O lugar da gente na cidade



José Luiz Portella Pereira

A posição mais conformista é acreditar que a cidade é assim como é e pronto. Não é. Pode não ser.

Há algum tempo no mundo todo vêm surgindo medidas, ora isoladas, ora um pouco mais estruturadas, aqui e ali, cada cidade por si, reagindo contra a aceitação do que está posto.

Jan Gehl, arquiteto com diretriz totalmente voltada para as pessoas, atuou em Copenhague tomando lugar dos carros para a bicicleta, e em outras metrópoles, tentando devolvê-las para o usufruto do cidadão.

O Highline em Nova York permitiu um uso fantástico de lazer, contemplação e prazer em região degradada e que estava em vias de demolição.

O prefeito atual, Michael Bloomberg, criou pequenas praças em blocos de quarteirão para que a população local pudesse respirar e curtir.

No meio da Times Square, mesmo diante da resistência inicial de vários comerciantes, a secretária Janet Sadik-Khan, colocou bancos e cadeiras no meio da rua. O movimento do comércio aumentou, além de haver um lugar para descanso e fruição por parte dos pedestres.

Nada tem um roteiro único e receita 100% certa. Mudar a cidade urbanizada é um desafio que sempre vai gerar problemas. Temos que enfrentá-lo. Decidir perder algo para ganhar outra coisa mais importante. É assim que a cidade muda. É assim que se faz uma opção ideológica pela cidade que se quer.

Recentemente, em São Francisco, 2010, surgiram os "parklets". Ação do departamento de planejamento e design da cidade. É a conversão de um espaço de estacionamento de automóvel em miniparque recreativo. O objetivo é aumentar o espaço amigável deixando os locais mais humanos.


Divulgação

A ideia é transformar vagas de estacionamentos, triângulos isolados entre o trânsito ou áreas com muito asfalto, em locais onde se possa sentar, curtir a paisagem, descansar, "respirar melhor".

Lá, os "parklets" têm duração variável: algumas horas, dias e até estações inteiras de primavera e verão. E poderão ser permanentes.

Em Los Angeles, a prefeitura concluiu que os bairros mais pobres e densos possuem pouco espaço de recreação. Descobriram a pólvora. Mas, antes tarde do que nunca.

O Estado da Califórnia lançou um manual sobre como e onde construir os "parklets". Lá, os cidadãos podem tomar a iniciativa.


Divulgação

Em São Paulo, há 20 anos, uma pesquisa concluiu que o maior desejo das donas de casa de periferia não era nenhuma obra sofisticada: bastava uma pequena praça para os filhos brincarem. Tal a asfixia que sentem, espremidos em apartamentos e casas com poucos cômodos.

Não custa colocar uma pista para caminhada, uma quadra poliesportiva simples e mesas para dominó e cartas, podendo reunir público de todas as idades.

Felizmente, não ficamos assistindo à iniciativa dos "parklets", os miniparques. O Instituto de Mobilidade Verde, em parceria com o Design Weekend, está prevendo para entre 15 e 18 de agosto, próxima semana, os dois primeiros em São Paulo. Um na rua Amauri, Itaim, e outro na rua Maria Antônia, Higienópolis.

Sem embargo desses, precisamos deles na periferia, onde a falta de espaço de lazer, como já vimos, é dramática há anos.

Há uma promessa de mais 20 em outubro, ainda não definidos e que farão parte da Bienal de Arquitetura.

Tomara que parte seja na periferia.

Mais do que um começo, é um exemplo do lugar da gente nas ruas da cidade. Curtindo a vida. Bastante tempo.

Postado por Jorge Espeschit em 08/08/2013

Pontuação

Média: 0.0
Avalie
12345


0 Comentário para "O lugar da gente na cidade"
Seja o primeiro!

Faça seu Comentário

*Todos os campos são obrigatorios













Desenvolvido por JeffBastos